Nos dias de hoje, independentemente de onde e como nós nos encontremos, temos a nítida sensação de que falta algo, talvez que não fizemos, um sonho deixado para trás, uma carreira almejada, uma casa maior, um automóvel mais confortável, uma viagem ao redor do mundo, ou mesmo uma boa conversa com um amigo de infância que faz muito tempo que não vemos.

Esta sensação é real e nos incomoda muito, é simplesmente ela que faz mover o mundo e a humanidade! Transforma vidas, novos inícios, final do ciclo, começo de eras, fim de histórias, aberturas pulsantes de um novo amanhecer.

Deixamo-nos levar pela vida com aquela certeza de estar no comando, onde na verdade deixamos porque acreditamos que logo ali quando eu quiser, eu mudo o curso e resolvo. Aquela boa e velha sensação que eu quero, eu posso, eu consigo. Então nos esquecemos de que apesar de todos os superpoderes concedidos a nós, um deles nunca o tivemos e jamais poderemos dominar: o tempo.

Não podemos controlá-lo, mas contamos tempo de diversas maneiras, com as estações do ano, com um relógio de pulso, posição das estrelas, com a sombra de um objeto em relação ao Sol. Em alguns casos buscamos burlar o tempo com cremes, cirurgias plásticas, alimentação e tudo que a vida moderna proporciona para acreditarmos que somos capazes de alterar o tempo ao nosso prazer.

O encontro da fonte da juventude, descobrir o segredo de Peter Pan, faz com que até hoje nós continuemos essa busca infindável, pelo comando e controle do tempo.

Nosso maior algoz nesta procura somos nós mesmos, que deixamos de viver, planejar, de aproveitar esta passagem momentânea, e assim sentimos este vazio interno que não conseguimos preencher, para nos sentirmos plenos e felizes.

Assim recriamos em filmes, desenhos e livros de contos, nossos medos e anseios onde o tempo é sempre o vilão. Podemos citar grandes sucessos de bilheteria e crítica que tem em seu ponto central a beleza eterna, a vida eterna, poderes mágicos, a destruição do planeta e a busca por outros que possamos habitar, quando este já não servir mais aos nossos propósitos.

Mas, como podemos mudar isto? Como poderemos usar o tempo como nosso aliado? Como fazer com que eu seja o gestor da minha própria vida? Como administrar algo que não posso mudar? Como ter tempo para fazer tudo que eu quero? Como ter tempo para eu mesmo?

Começar respirando fundo, fazer pequenos alongamentos com o pescoço, braços e pernas, fará com que você oxigene seu corpo e cérebro e os coloque a funcionar para que você comece sua organização.

Ter papel e lápis será fundamental, notem que escrevi lápis, pois poderemos e deveremos apagar quantas vezes forem necessárias até entendermos que nossa lista está muito boa.

A lista das nossas prioridades, pois sem uma lista de prioridades ficaremos completamente perdidos. Muitas vezes o mal-uso de nosso tempo está relacionado em fazer o que “achamos” ser bom, quando na verdade estamos fazendo o que ‘preferimos’ e não que o que realmente é importante. 

Tendemos a deixar o que achamos chato ou difícil para o final, e está aí o problema, porque o final nunca chega, teremos sempre coisas a serem feitas e sempre coisas que não gostamos de fazer, mas são necessárias.

O grande segredo das pessoas eficazes no uso do tempo está em simplesmente atender as prioridades e depois sobra tempo para o lazer (fazer o que gosta). Digo lazer, mesmo porque ainda que seja trabalho precisa ser prazeroso, tem que te dar satisfação, senão o tempo torna-se seu inimigo, fica enfadonho e triste, dando a exata sensação de você poderia estar fazendo outra coisa ou até mesmo achar que o trabalho ou a tarefa do outro é melhor e que você faria muito melhor que ele ou ela está fazendo.

Perceba que esta insatisfação “corroerá” seu tempo, minará todas as suas energias e ao chegar ao final do dia, parece ter carregado o mundo nas costas sendo que não produziu nada!

Para conseguirmos ser gestor de nós mesmos precisamos entender que dominar o tempo é fundamental, e assim tenho um recurso muito simples para te dar. Este recurso chama-se triângulo da hora.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.