Esclarecendo dúvidas sobre coaching
Coaching e coach são palavras do momento, já há um bom tempo. Há diversos profissionais, em diversas áreas, que carregam o título de “Coach disso” ou “Coach daquilo”. E isso gera uma grande dúvida no público em geral: “o que diabos é coaching ou coach?”

Percebo esta dúvida até nas pessoas próximas, com a boa e velha pergunta: “mas, o que exatamente você faz?”; ou quando leio comentários e depoimentos em redes sociais, de pessoas criticando os trabalhos dos coaches. 

Um mais recentemente me chamou atenção ao atacar com unhas e dentes o coaching, com argumentos um tanto confusos e sem sentido, pois estava claro que ele atacava algo, mas este algo em nada tem a ver com o processo de coaching, por mais que ele tenha citado isso. Posto este cenário, acho válida uma explicação para maior entendimento de interessados (e críticos) e que fique claro a diferença entre coaching, mentoria, consultoria e por aí vai.

Para início de conversa, estou falando de profissionais sérios, que seguem os conceitos de coaching e não de pessoas que usam o título de “coach” para se vender, algo muito comum no mercado, devido ao apelo desta designação e falta de conhecimento do público em geral. Portanto, toda vez na qual eu citar coaching ou coach, estou falando de um conceito único e adotado por muitos profissionais decentes.

Coach não é um guru, um cartomante, xamã ou afins. Apesar de trabalhar olhando para o futuro, não se enquadra neste perfil. Creio que todo mundo deve saber disso, mas não custa lembrar.

Para deixar a explicação mais clara, vou comparar seis segmentos profissionais sob alguns aspectos, o que acredito fortalecer a definição. Para tanto vou discorrer sobre coaching, aconselhamento, mentoria, consultoria, terapia e treinamento. Você sabe dizer a diferença entre cada um? Sabia da existência de todas estas áreas?

De cara temos diferentes profissionais: coach é o profissional responsável pelo processo de coaching (já diferenciando as duas palavras) e pode ser executivo, de carreira ou de vida. O counselor (ou conselheiro) atua como profissional da área de aconselhamento. Um mentor com mentoria. Consultor especializado e experiente num determinado setor atua com consultoria. Na terapia temos o terapeuta ou psicoterapeuta. Por fim, na área de treinamento, há um profissional experiente em treinamento e com conhecimentos específicos de sua área de atuação, podendo ser um especialista, analista ou consultor.

Pois bem, quando pensamos em abrangência, já começamos a diferenciar cada um: aconselhamento lida com formas de lidar com questões emocionais; mentoria trabalha com questão relacionadas com empresa, carreira e transições pessoais; a consultoria é voltada para questões e problemas de uma empresa; treinamento lida com aprendizado; terapia com assuntos relacionados a saúde emocional; e o coaching, com questões de desempenho, desafios e mudanças específicas.

Esclareceu? Ainda não? Então vamos falar sobre foco: coaching olha para ação e resultados; problemas está para aconselhamento assim como possibilidades para mentoria; a consultoria foca no funcionamento da empresa, enquanto que o treinamento nas deficiências de conhecimento, experiência e habilidade profissionais. Por fim, a terapia tem como foco dificuldades de ordem emocional.

Quando falamos em tempo, também há uma diferença: coaching e consultoria lidam com presente e futuro; já aconselhamento com passado e presente; a terapia apenas com passado; treinamento para o presente; e mentoria para os três tempos, passado, presente e futuro.

Já é possível notar as diferenças de cada um? Está quase lá? Então vamos aprofundar. O aconselhamento aborda como o cliente atua em certas situações; a mentoria em como agir no âmbito profissional e de carreira; a consultoria o que pode e/ou deve ser mudado, corrigido ou melhorado no sistema de uma empresa; já a terapia aborda o porquê o paciente age, sente ou pensa e como poderia ser alterado para alcançar maior conforto. 

Treinamento busca como fazer para produzir mais resultados com recurso e garantir a competitividade da empresa. Por fim, o coaching aborda como o cliente age em razão dos resultados a serem alcançados. Novamente, ação para resultados.

Para finalizar, quais os resultados esperados em cada uma dessas linhas de atuação? No aconselhamento é esperado uma compreensão da problemática e disposição para equacioná-la. Na mentoria são aguardados informações e insights para ampliar a visão e conhecimento de possibilidades. A consultoria procura aperfeiçoamento da empresa, solução e prevenção de problemas. 

Na terapia é esperado alivio e/ou eliminação das causas do mal-estar e das dificuldades sentidas. Já o treinamento espera-se a aquisição dos conhecimentos e experiências necessárias para a prática profissional. 

E o coaching tem como resultado gerar opções construtivas, viáveis e informadas e utilizá-las para obter os resultados desejados, ou seja, as metas.

Se depois de toda essa explicação técnica, ainda não ficou claro, vou tentar resumir: o coach tem um processo de atuação diferente dos demais citados, voltado para despertar reflexão no coachee (participante e interessado no processo), visando a busca de uma meta, por meio do diálogo socrático, sem a necessidade do profissional ter experiência em áreas específicas de atuação, pois ele não aconselha ou é mentor, não presta consultoria ou dá treinamento e muito menos faz terapia (apesar de que o processo até pode ser terapêutico) ou lê Tarô.

Ele é totalmente focado na meta, no futuro, sem mostrar o caminho, apenas questionando e desafiando, e com isso gerando desenvolvimento.

Espero ter esclarecido!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.