Cuidado nas relações de trabalho
Grandes empresários costumam dizer que o cliente é o verdadeiro patrão, pois é ele quem garante o sucesso do negócio. Cative o cliente, e ele voltará! E, sim, isso é uma grande verdade! Por esse motivo, muitas empresas fazem treinamentos periódicos com foco em atendimento ao público e fidelização de clientes.

Mas, e os colegas de trabalho? Será que eles também recebem a atenção e dedicação que merecem? Os colegas também não precisam receber atendimento adequado?

Imaginemos um profissional que trabalhe com gestão de estoque de uma determinada empresa. Para verificar as necessidades específicas de alguns setores, ele desloca-se em busca de informações, ou dados estatísticos, importantes fazer o levantamento de compras. Ao perguntar para outro funcionário se ele poderia fornecer os dados de que precisa, ouve um sonoro "não sei!", resposta seca de alguém que nem mesmo levanta a cabeça para saber quem estava perguntando, ou preocupa-se com a importância daquela informação.

Quem nunca passou por essa situação? E pergunto: quem nunca respondeu um sonoro "não sei"?

Muitas vezes, na correria das atribuições diárias, é mais fácil esquivar-se e não ajudar, afinal "será que essa pessoa não está vendo que estou ocupado?", do que colaborar com o colega. O outro nunca está tão ocupado quanto você. As outras atividades nunca são tão importantes quanto as suas.

Mas são essas relações do dia-a-dia, trabalhadas com zelo, que tornam o ambiente de trabalho mais agradável, e os processos mais simples. E não interessa qual o ramo de negócio, se uma indústria, uma pequena loja, ou uma instituição de saúde.

Empresas com um ambiente de trabalho saudável funcionam sistemicamente. Como no corpo humano, ou como engrenagens de uma máquina: quando um órgão ou uma peça falha, o sistema entra em colapso. É preciso que exista colaboração mútua, e um real entendimento de que as diferentes atividades, dos mais diferentes setores, interferem umas nas outras.

Uma orientação bem feita, uma informação repassada de forma adequada, evita o retrabalho, além de garantir ajuda mútua quando os papéis estiverem invertidos. Mesmo quando a resposta for realmente "não sei", é possível que esteja acompanhada de cordialidade e respeito "desculpe, mas não sei como te ajudar!"     
 
É importante pensar nos colegas de trabalho como clientes internos, e trabalhar, também internamente, técnicas de atendimento e fidelização. Eles também são responsáveis pelo sucesso do negócio!



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.