Sabe aquela história que a gente diz ou ouve: Ah, meu marido (ou minha sogra, meu irmão, pai, chefe, etc.) é meu carma. Pois é, não existem pessoas ou empregos carmas, mas, sim, sentimentos que alimentam e validam crenças.