Hoje, querido leitor, vou te convidar para parar e refletir. Basta olhar ao redor e seja onde você estiver, verá pessoas compenetradas na frente de uma telinha. Pode ser no trabalho, no restaurante, no passeio com os amigos, no almoço com a família. É muito mais comum ver as pessoas de olho no celular do que conversando pessoalmente.
É inegável que a tecnologia facilita muito a nossa vida. Antes, para conversar com quem mora distante, era só de vez em quando, por carta ou e-mail e não era tão simples acessar. Para fazer uma compra, tínhamos que sair de casa, andar bastante e gastar tempo olhando de loja em loja. Agora, com um toque no aparelho móvel, temos tudo, literalmente, nas mãos. Mas será que estamos sabendo dosar o uso dos dispositivos eletrônicos?
O autor do Psicodrama, Jacob Levy Moreno, lembra que as pessoas mais saudáveis são aquelas que se relacionam de forma intensa com as demais. Será que a maneira como convivemos com as pessoas, por aplicativos de mensagem, foto e conversa de voz, permite essa intensidade?
E quando estamos diante dos nossos entes queridos e não conseguimos deixar o celular de lado. Você visita sua mãe, mas está conectado o tempo todo ao seu e-mail de trabalho, falando sobre alguma situação. Na mesa com os amigos, simultaneamente fica batendo papo com uma pessoa que nunca conheceu pessoalmente. Sai para jantar com seu amor, mas deixa a comida esfriar, porque primeiro precisa postar a foto do prato que pediu. Estamos trocando o ‘olho no olho’ por uma conectividade que é rasa.
É claro que algumas vezes é necessário se distrair e alguns recursos dos aparelhos eletrônicos podem ajudar. Mas temos que reaprender a enxergar em volta e tirar os olhos da tela. No trajeto para o seu trabalho, por exemplo, qual é a paisagem ao redor? Que tal em vez de ficar olhando o Facebook, observar as belezas daquele parque que fica perto da sua casa? Por que não trocar aquele papo do grupo de WhatsApp, por um convite para conversar pessoalmente? Faça essa reflexão e usufrua das relações verdadeiras e intensas, em que há maior interesse no bem-estar do outro e no que está se passando ao seu redor. Você não vai se arrepender.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.