Cientistas como Willian Marston, contribuíram e, contribuem até hoje com estudos comportamentais que melhoram relacionamentos. No curso da história, observávamos quão grande é a necessidade do ser humano em comunicar-se, e ao passo que aumenta as opções de acesso à informação, menos sabemos nos relacionar e mais distantes ficamos de nós mesmos. 

Nesse movimento vale perguntar: como podemos alcançar a eficiência?

Vivemos entre o campo racional e emocional, e somos guiados, afirmados e reafirmados por eles, sendo a emoção mestra em tudo sobre nós.

Quem nunca afirmou não ser tão emocional? Esse controle emocional não é reconhecendo seus limites e traçando um plano eficiente, que busque certa harmonia?

Marston, em sua contribuição para o comportamento humano, aborda a normalidade não como nos comportamentos comuns, convenções sociais ou estatísticas. Pelo contrário, deve ser entendida como aquilo que produz harmonia e prazer, impulsionando a resistência na adversidade com eficiência, onde respaldo menos meus comportamentos nos outros, e conheço mais como posso ser mais eficiente, inclusive em meio à diferenças e desafios.

Entender que mesmo isolados em bolhas somos diferentes, com necessidades singulares e todos com desejo de convívio social; que assusta, ao desaprendermos como se relacionar, fazendo que negligenciemos os limites particulares, individuais e coletivos. Se na época de Marston isso já era um desafio, imagina em épocas onde as coisas são aceleradas.

Transforme sonhos em realidade
A busca por gerar harmonia leva tempo e trabalho árduo. É uma adaptação do ‘eu’ de cada um, para conviver melhor nos ambientes. 


A chave para o sucesso pode estar justamente no quanto sei de mim, e o quanto consigo conviver harmoniosamente com o outro em busca de eficiência.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.