Saúde nos quatro domínios do quadrante

Com a associação frequente de que a saúde existe nos domínios do “eu” e do “isto”, o fato de apreciar seus aspectos culturais e sociais pode ser uma revelação no coaching. Tenho um exemplo para ilustrar isso, mas antes de apresentá-lo, gostaria de esclarecer o seguinte ponto: escolhi o exemplo sem fazer qualquer julgamento moral, e espero a compreensão daqueles que estejam vivendo ou tenham vivido circunstâncias similares. Minha intenção é ajudar na aplicação e explicar a importância deste princípio em relação à ideia dos quatro quadrantes, apontando meios de melhorar tais condições. Vejamos o exemplo. Exemplo Um indivíduo teve a infelicidade de pegar uma doença sexualmente transmissível.

O domínio do “isto” seria a manifestação física da doença. O indivíduo provavelmente irá receber uma receita de um médico para tratar do problema físico, mas pode também “sentir-se” culpado por ter adquirido a doença – ainda que não tenha sido culpa dele, o sentimento está presente. A culpa existe dentro do domínio do “eu”, e tanto é um aspecto da saúde como da parte física.

A seu turno, o indivíduo pode buscar aconselhamento para ajudá-lo com os sentimentos negativos. Ele também pode achar que, dentro de sua cultura, esta condição é vista como desgraça. Alternativamente, sua cultura pode aceitar o fato como normal. Em qualquer das alternativas, os sentimentos são afetados, seja positiva ou negativamente, pela cultura à qual o indivíduo pertence. Assim, devemos considerar no domínio do “nós”, se o indivíduo faz parte de uma estrutura social que forneça a medicação adequada (uma questão do sistema).

Nesse caso, tanto a doença quanto a culpa tendem a desaparecer mais prontamente. Se, no entanto, o indivíduo não puder contar com o melhor tratamento, corpo, mente e aspectos culturais serão afetados. Essas são questões do sistema social no domínio do “istos”.

Nota: Se, por acaso, a condição fosse uma queixa relativa à pele do rosto, pode-se observar como isso afeta corpo, mente, cultura (ao sentir-se ignorado pelos outros) e sistema social do indivíduo, dependendo se o médico considera ou não prioridade o tratamento de problemas de pele. Esse exemplo prova como cada domínio causa impacto sobre a saúde pessoal – e não apenas em relação ao corpo, nem à dupla mente-corpo. É um caso de mente e corpo dentro do contexto da cultura e da sociedade.

Como coach, seu papel é o de fazer compreender que a saúde se estende a todos os quatro domínios do quadrante. De uma sessão de coaching, surgiu uma ideia interessante: muitas condições de saúde melhoram consideravelmente quando o indivíduo tem dinheiro disponível para pagar pelo atendimento dos médicos mais conceituados. Nesse caso, então, o dinheiro (istos) é um aspecto vital para a saúde. Da mesma forma, a dieta (freqüentemente relacionada tanto a dinheiro quanto a cultura) também tem importância. Se quisermos ser saudáveis, precisamos pensar em como a saúde está integrada aos quatro quadrantes, e como pode melhorar se operarmos nessas áreas.

Exemplo Um coachee percebeu que ele e sua mulher se sentiam (“eu”) mais saudáveis não somente quando faziam exercícios (“istos”), mas também quando socializavam após praticar o esporte escolhido (“nós”). E naturalmente, a qualidade das interações sociais depende da qualidade desse ambiente (“istos”).

Martin Shervington, em Coaching Integral: além do desenvolvimento pessoal, editora Qualitymark, 2006.