Em uma sessão de coaching  quer se trate de talento, saúde, negócios ou relacionamento o papel do coach é contribuir para que cada área seja bem aproveitada.

Talento

Talento para o esporte, a arte ou a literatura – para citar apenas alguns.  É provável que o próprio coachee se interesse em ver seu talento reconhecido, ficando satisfeito em encontrar alguém que o ajude a realizar todo o potencial de que se dispõe. Como Coach Integral, é tarefa sua cuidar para que o talento não seja desperdiçado, seja no contexto do ambiente profissional ou em qualquer outro. Se um funcionário com a capacidade de ouvir e apreciar as necessidades dos colegas permanece em um cargo de gerenciamento de nível pouco elevado, isso pode ser considerado um desperdício de talento. No mundo dos esportes, um Coach Integral tinha como objetivo conseguir que o coachee se sustentasse financeiramente durante o período inicial de desenvolvimento de seu talento, em uma extensão de sua linha profissional. O desenvolvimento foi de tal ordem, que o coachee não somente tornou-se altamente competitivo, como também foi contratado por diversas organizações para fazer palestras sobre suas experiências pessoais. O coach ficou encantado!

Saúde

Claro que a linha de desenvolvimento chamada “fisiologia” pode afetar seriamente a saúde. Para ser coerente, porém, e correndo o risco de me tornar enfadonho, devo insistir que a saúde existe em todos os quatro quadrantes: o modo como o indivíduo administra os próprios sentimentos (afetividade) reflete-se na qualidade de sua saúde. Um coachee percebeu que ficava ansioso depois das refeições, mas não sabia por quê. No processo de investigação, o coach lhe fez perguntas sobre hábitos alimentares. O coachee foi ficando psicologicamente mais consciente, e sua reação a certos alimentos e bebidas passou a ser acompanhada de perto. Eles descobriram que o café ingerido depois das refeições era o responsável pela aceleração dos batimentos cardíacos e pela sensação de ansiedade.

Negócio

Um coachee descobriu que, como resultado das sessões de coaching, podia melhorar seus níveis de flexibilidade pessoal, sentindo-se mais realizado. O coachee não mais encontrava sentido em suas atividades, embora fosse “bom” no relacionamento interpessoal e conseguisse excelentes resultados como empresário autônomo. Então, com o apoio coach, começou a fortalecer linhas adicionais de desenvolvimento, inclusive no aspecto moral. Daí percebeu que realização pessoal não era suficiente – ele precisava de outros objetivos. O coach o levou a experimentar o serviço à comunidade, como meio de se revitalizar e de contribuir para o desenvolvimento de outras pessoas. Como resultado, o coachee passou a colaborar com a mesma comunidade que, durante tantos anos, tinha contribuído para o sucesso de sua empresa. Cabe ao coach observar quais linhas de desenvolvimento estão sendo negligenciadas e apresentar a ideia de exploração das opções que podem levar ao desenvolvimento. Às vezes, o coachee hesita em aceitar a sugestão, mas com o apoio adequado, acaba concordando.

Relacionamento

Conforme já vimos, habilidades interpessoais e intrapessoais são elementos-chave em um relacionamento cuja qualidade depende de muitos fatores, inclusive das atitudes e da comunicação verbal e não-verbal. Tomemos o exemplo de uma série de mal-entendidos que faça uma mensagem transmitida chegar ao alvo completamente diferente. Por exemplo: um indivíduo que pretenda criar uma boa impressão em uma situação familiar ou profissional pode ficar sabendo mais tarde que sua postura foi considerada insensível e arrogante. Nesse caso, o coach deve pedir ao coachee que examine o modo como agiu e as respostas que recebeu. Em seguida, pode haver uma discussão acerca de outra abordagem para a situação, levando o coachee a adaptar seu estilo, visando o relacionamento com parceiros, parentes, colegas ou clientes. Por meio de um esforço concentrado, o coachee pode operar mudanças na linguagem, no tom de voz e na presença física. Em muitos casos, ele desenvolve a capacidade de adaptar-se automaticamente às necessidades do ambiente, por exemplo, alterando o tom de voz conforme ouve o cliente ao telefone. Em vez de responder friamente, passa a comunicar-se de maneira mais adequada. Isso exige do coachee, além de autoconhecimento, o desejo de mudar, ou seja, essencialmente o desenvolvimento de habilidades interpessoais e intrapessoais. Martin Shervington, em Coaching Integral: além do desenvolvimento pessoal, editora Qualitymark, 2006. Sulivan França Atual Presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching, Sulivan França é Master Coach Trainer por meio da International Association of Coaching Institutes, possui licenciamento individual conferido pelo Behavioral Coaching Institute (BCI) e credenciamento individual junto a International Association of Coaching (IAC) além de Master Trainer por meio da International Association Of NLP Institutes. Siga-me no GOOGLE+