O coaching pode ser usado com grande eficácia para garantir que alguém consiga chegar à experiência completa de um programa de treinamento. O chefe ou treinador pode fazer o coaching de um escolhido antes do evento, para que seus objetivos de aprendizado fiquem claros. Quando o evento acaba, uma outra sessão de coaching pode consolidar o aprendizado e garantir que seja aplicado no local de trabalho com seu melhor resultado. Evidências apontam um aumento de 25% na eficácia do treinamento.

O coaching faz parte da liderança

A liderança eficaz é tão dependente da personalidade do líder e de seus seguidores, da cultura da organização e da natureza do negócio que não serei ingênuo a ponto de tentar fazer uma afirmação sobre boa liderança. Acredito, sim, que, quando há um alinhamento entre o que inspira um indivíduo, o trabalho que ele faz e as diretrizes da companhia, então todas as pessoas, em todos os níveis, podem livremente dar o seu melhor, a comunicação é facilitada e seguem resultados extraordinários. Uma abordagem de coaching, que envolve diretamente os membros na direção que o negócio toma e delineia seus trabalhos, pode ser parte do que cria tal alinhamento. O coaching também pode ser usado para obter aceitação dos valores e comportamentos organizacionais. Por exemplo, trabalhar com um player para a identificação de seus próprios valores e então ajudá-lo a relacioná-los com os da organização encontrando os elementos congruentes, bem como aqueles que não o são, dará vida aos valores de forma significativa, particularmente se houver espaço para o debate – e influência – em torno dos elementos que sentem desconforto.

Coaching em projetos

Coaching é uma ótima forma de entregar projetos dentro do prazo e orçamento. É muito semelhante ao coaching de equipes.

Coaching na direção ascendente

“É possível fazer o coaching do meu chefe?” Trata-se de uma pergunta freqüente em workshops de habilidades de coaching. A resposta é que qualquer um pode receber o coaching – se estiver aberto a isso. O interessante, em minha opinião, é aquilo que está por trás da questão. É normalmente uma pergunta diferente: “Como posso mudar o comportamento do meu chefe?”. Para essa pergunta, há uma resposta diferente: você não pode mudar o comportamento de alguém, só a própria pessoa pode fazê-lo. O que você pode fazer é dar algum retorno. Caso esteja disposto a ouvir o retorno e compreendê-lo, então o coaching poderá ser oportuno. Depois disso, tem-se o direito de escolher o seu coach, que pode ou não ser quem lhe deu o feedback. Na minha experiência, é pouco comum um chefe estar disposto a ter seu coaching feito por um subordinado, mas não é algo inédito. Quando acontece, é um claro sinal de que o chefe está verdadeiramente aberto ao aprendizado e à comunicação significativa, e o impacto desse processo se estenderá muito além da pessoa que por iniciativa própria deu o feedback no início. Esse cenário se encaixa na minha definição ampla de coaching formal. O coaching informal de baixo pra cima pode ocorrer muito mais fácil e freqüentemente, mas depende da cultura predominante na organização e do quanto a pessoa acima de você é controladora – ou do quanto ela está desesperada. Myles Downey, em Coaching Eficaz, editora CENGAGE Learning, 3ª edição, 2010. Sulivan França Atual Presidente da Sociedade Latino Americana de Coaching, Sulivan França é Master Coach Trainer por meio da International Association of Coaching Institutes, possui licenciamento individual conferido pelo Behavioral Coaching Institute (BCI) e credenciamento individual junto a International Association of Coaching (IAC) além de Master Trainer por meio da International Association Of NLP Institutes. Siga-me no GOOGLE+