Procrastinar vem do latin “Procrastinare”, é a união do pefixo “pro” (encaminhar) e “castimus” (amanhã), ou seja, encaminhar amanhã, é o ato de deixar para depois algo que pode ou precisa ser feito, e quando esta prática é frequente caracteriza-se uma procrastinação, e um procrastinador.

Os principais sinônimos de procrastinar são: adiar, postergar, demorar, atrasar, retardar, protelar, prorrogar, delongar, tardar; entre outros.

“Nunca deixe para amanhã o que você pode deixar para depois de amanhã”, esta frase foi certamente escrita por um procrastinador confesso e com um grande senso de humor, todavia as consequências da procrastinação são sérias e nada engraçadas, pois geralmente vem acompanhadas do sentimento de culpa, perda de produtividade, ansiedade e baixa autoestima.

A procrastinação é muito comum, e quase todas as pessoas, em algum momento, deixam para depois o que poderia ser executado imediatamente, mas fazer disso um padrão de comportamento é que o torna um indivíduo um procrastinador.

Muitas vezes a procrastinação começa logo pela manhã, quando optamos pelo soneca do celular, para ficarmos um pouco mais na cama, e às vezes é usado também para coisas mais determinantes como deixar para o último dia a declaração do imposto de renda, ou no adiar o começo do trabalho de conclusão de curso (TCC), também ao postergar as decisões e as mudanças que determinamos a cada início de ano e que por muitas vezes não são colocadas em ação...

O retardar nunca foi tão real na vida das pessoas como após a invenção do computador e o crescimento das redes sociais, a tecnologia tem impactado muito na forma das pessoas se relacionarem e contribui significativamente e negativamente com a dispersão, falta de foco e de produtividade.

Quem já não viveu o dilema, “faço agora ou fico um pouco mais de tempo no Facebook ou WhatsApp?”

“Realizo agora ou assisto mais um episódio da série no Netflix?”

O problema é que este pouco mais, muitas vezes, torna-se horas, e depois disso, qualquer atividade importante passa a ser urgente, e com pouco tempo hábil para a realização a tarefa é feita com pouca destreza e eficácia e o resultado não fica do mesmo nível que ficaria se fosse realizado com calma e em tempo para uma boa revisão, permitindo ajustes e melhorias.

A conduta de procrastinar tem sido, infelizmente, utilizado excessivamente por famílias e lideranças, pais protelam a utilização da disciplina e líderes o feedback para seus colaboradores, e essas ausências impactam significativamente no trabalho, nos lares e na sociedade, pois a disciplina e o feedback são essências para gerarem resultados, e negligenciá-los é muito arriscado e nada saudável.

Mas, a boa notícia é que a procrastinação pode ser vencida, e na verdade vencê-la depende muito de você mesmo. Maturidade e autoanálise são fundamentais para identificar se és um procrastinador, e essa sinceridade será fundamental para a mudança. Comece identificando os motivos que fazem você adiar o que precisa ser feito. 

Procrastinação não é simplesmente preguiça. Ela surge por razões diversas, incluindo:

- Fuga de experiências negativas.

- Sentimento de incapacidade.

- Superdimensionamento da opinião dos outros.

- Não gostar do que faz.

- Pessimismo.

- Depressão.

- Perfeccionismo.

- Necessidade de aceitação.

- Medo.

- Insegurança.


Identificado os motivos devemos focar nas soluções:

- Elabore o seu dia planejando suas atividades, classificando as tarefas em Urgente, Importante , Necessárias e Desnecessárias.

- Priorize o que é urgente, depois faça aquilo que é importante, para após fazer as necessárias, as desnecessárias ficam por último, pois não agregam valor e são inimigas da produtividade.

- Aja naquelas tarefas que lhe parecem desagradáveis, pois todos temos que ora ou outra fazer o que nos desagrada, o segredo não é pensar na tarefa em si, e sim no que a realização dela pode proporcionar ou o quanto concluí-la será fundamental e importante.

-  Caso você não consiga colocar em prática as alternativas já citadas, procure o suporte profissional de um Psicólogo ou Coach, o processo de Coaching tem ajudado muitas pessoas a substituírem suas crenças limitantes por outras fortalecedoras, assim como fornece para os clientes ferramentas para o combate à falta de foco e a procrastinação; caso o que te faça procrastinar seja a depressão não hesite em procurar um psiquiatra.

A força de vontade é poderosa quando contribuímos com ela, no fim das contas o que será determinante será a tua escolha, exercer o livre-arbítrio, dom gratuito de Deus é o que te capacita a tomar a decisão

“Faço agora ou amanhã?”



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.

  0   0

Sandro Gomes Silva

Life Coach

Coach e Analista Comportamental, formado pela SLAC; Palestrante e Terapeuta Familiar. Gestor de Pessoas na empresa Ritter Alimentos - RS, com mais de 15 anos de atuação em Liderança e Gestão de pessoas, formado em Gestão de Recursos Humanos pela Ulbra- RS em 2007.