Ao virar a pagina de mais um ano, a exemplo de outros, todos nós, não fugimos de olhar para trás, mesmo que rapidamente, para avaliar as nossas realizações. É bom fazer a retrospectiva, viajar por esses 12 meses, se necessário mês a mês, começando lá trás por janeiro, buscando no fundo da memória tudo que foi realizado, tudo que foi construído, seja bom ou não seja tão bom assim. Esse é o seu momento – o momento com você mesmo.

Esse exercício pode leva-lo a avaliar melhor tudo que aconteceu no ano, tudo que você plantou, suas atitudes, suas decisões, suas estratégias, seus comportamentos, suas ações e, principalmente, se a sua missão vem sendo cumprida, se vem ressaltando os seus valores. Aliás, qual é a sua missão? O que mais valoriza?

Como foi o seu ano de 2014? O que mais marcou na sua vida pessoal e profissional? Seu grau de evolução em todas as áreas foi positivo? Você cresceu dentro dos seus próprios parâmetros estabelecidos? Tudo que planejou aconteceu? Ou não aconteceu absolutamente nada?

Quando falamos de legado, vem logo em nossa mente o significado de deixar alguma coisa. Parece simples, e aprofundar o entendimento real de LEGADO é muito mais significativo, tem compreensão maior – pode significar as suas realizações e de como você quer ser lembrado no futuro e também pelas pessoas – será que a nossa passagem pela vida tem contribuído? E o que estamos deixando pelo caminho tem sido digno de reconhecimento próprio e atendem aos nossos valores? Qual o seu legado como ser humano; como pai; como filho; como chefe; como colega; como empresário? Enfim...

Não podemos terceirizar o nosso desenvolvimento e nossas metas, essa responsabilidade é intransferível - é de cada um. Trazer para si a responsabilidade é o maior desafio e isso pode significar começar um movimento diferente em nossas vidas. Pode significar sair do ponto morto e iniciar a caminhada na direção dos nossos sonhos. Você tem um?

Diz um ditado popular: “De graça até ônibus errado”. Significa dizer que você pode se dirigir para longe do seu destino ou longe da sua meta, mas como é de graça mesmo e não custou nada , esse destino ou essa meta mesmo serve. Porém, o tempo e a distância ficam maiores e isso pode custar mais caro depois.

Na realidade, precisamos responder para nós mesmos se estamos dispostos a pagar o preço. Pagar o preço, pode ser uma metáfora, mas significa sair da zona de conforto que criamos para nós mesmos e que nos impede de avançar na direção dos sonhos, desejos, metas, objetivos – não importa o nome que você dê para aquilo que faz os seus olhos brilharem.

O que você quer para 2015? O que você vai fazer para que isso aconteça e qual será a sua primeira ação?

Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor do post identificado abaixo.