Ao sair com crianças, é natural mães e pais trocarem informações sobre seus filhos, mas o que percebo, muitas vezes, são as comparações. Ter curiosidade e buscar informações como, por exemplo, perguntar com quantos anos comeu, falou e andou é natural e saudável, mostra a preocupação dos pais em não negligenciar concernente à saúde e ao desenvolvimento de seus filhos, mas o que percebo, muitas vezes, é a preocupação demasiada em um desenvolvimento rápido.

A demanda é cada vez maior de mães as quais acreditam que seu filho fala pouco, o desfralde deve ocorrer com dois anos, a criança tem de contar até "trinta", por exemplo. Qual a necessidade de atropelar o desenvolvimento? Qual a necessidade de antecipar o bebê, ou a criança?

Cada criança é única e o seu tempo deve ser respeitado. Os pais devem sempre procurar ajuda, caso haja alguma anormalidade, mas, se a criança é saudável, deixe ela ser criança; deixe ela ter infância; respeite suas fases de acordo com sua maturidade e suas aptidões. Não compare seu filho. Você gostaria de ser comparada? Não permita também que ninguém o compare: se alguém perguntar o porquê não fala, pois o vizinho da "Maria" falou com "nove" meses, diga que ele não está no tempo dele e que você respeita isso.

Observe o desenvolvimento do seu filho e deixe que amadureça para a demanda. Se quer desfraldar com dois anos, por exemplo, veja se seu filho já tem maturidade psíquica. Explique, converse, estimule o desfralde e perceba como ele vai responder. Se não estiver pronto, espere mais um ano. Isso só trará benefícios para a criança, pois ela não vai se sentir insegura, pressionada. Pelo contrário, vai se sentir respeitada. Não são só os adultos e os idosos que devem ser respeitados, a criança também precisa de muito respeito. Além de inúmeros benefícios físicos e psicológicos a curto prazo, tem, também, vários a longo prazo - quando posteriormente adulta. A aptidão da criança ao desfralde compreende a fase anal, etapa importantíssima no desenvolvimento infantil: para se conseguir passar por essa fase, de forma saudável, é necessário que o bebê possua maturação psíquica e controle esfincteriano.

Não pule etapas, o bebê, ou a criança tem o direito de viver intensamente cada momento. Aproveite seu filho com o que ele tem a oferecer. Deixe que o despertar de cada etapa ocorra de forma natural. O bebê de hoje, é o adulto do amanhã.

Vivemos num mundo moderno em que socialmente somos cobrados a fazer as coisas cada vez mais rápido. Estudos demonstram ser a ansiedade o mal do século. Tudo está tornando-se emergencial, a curto prazo. Isso tem desencadeado pessoas preocupadas - e por que não atormentadas -, nervosas, com a pressão cada vez mais alta, pessoas e mais pessoas estão ficando depressivas, doentes.

Estamos na era da informação, e como diz a canção: "o futuro já começou", no entanto deixamos de contemplar a sutileza dos momentos do presente, do agora. Não sou contra o estímulo, mas discordo com o super estímulo. A linha, entre um e outro, muitas vezes, é tênue demais.

Como você tem levado a sua vida?

O mundo moderno costuma cobrar caro por suas exigências. É preciso atenção para não nos tornarmos seres robotizados. É fundamental uma percepção apurada aos detalhes, sob pena de perdermos a sutileza dos momentos e das coisas que realmente importam e nos fazem felizes.

Dentre as coisas que você ensina, quais as que você transfere sem perceber?

Há tamanha complexidade e responsabilidade em educar outro ser humano, por isso, é preciso estar consciente e emocionalmente forte. Viva cada momento e abra seu coração para aquilo que efetivamente importa. Não deixe a pressa do dia a dia e do trabalho ofuscar o que realmente é fundamental para a sua felicidade. A maior riqueza que você pode ter na vida, é despertar na mansão de si.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade da autora identificada abaixo.

  0   0

Fernanda Ferraz Elizalde

Life Coach

Membro da Sociedade Latino Americana de Coaching - Certificação Internacional de Professional Coach e Certificação Internacional de Analista Comportamental - Practitioner em PNL - Organização e Planejamento Familiar FGV - Coaching e Consultoria para mulheres e mães - Apoio e orientação psicológica para mães e gestantes - Inteligência Emocional para mulheres - Empreendedorismo Feminino