A sua meta faz parte de um projeto de vida?
Ou melhor, você tem um projeto de vida ou uma meta?

A maior parte das pessoas tem dificuldades em definir uma meta. De fato, não é tarefa fácil, mas existem algumas regras que podem ajudar. 

A meta precisa ser:
- Ser específica e positiva; 
- Ter uma forma de ser mensurada;
- Ser alcançável;
- Ter relevância para a própria pessoa ou para o contexto no qual está inserida;
- Ser delimitada dentro do tempo.

Quando alguém diz que tem a meta de acumular um milhão de reais, isso quer dizer apenas que essa pessoa tem um sonho. Para que se torne viável, teria que ser escrita assim, por exemplo: “Eu, Jorge Amado, vou acumular um milhão de reais na minha conta poupança da agência 1234 do Banco Diadorim, em 31 de outubro de 2018, para que eu tenha base de sustentação para investir na franquia do restaurante baiano Grande Sertão Veredas, ampliando assim em 30% a minha presença no mercado da minha cidade.”

É só isso? Não, na verdade até aqui falamos apenas de técnica. Antes de aplica-la é preciso querer alguma coisa, e isso requer elevação de consciência, estar educado para ter metas. Trocando em miúdos, é preciso saber o que quer, por que quer, quando quer, onde quer e qual será o ganho que terá pelo esforço de atingir a meta.

Sim, existe um esforço, e isso só faz sentido se deixar um legado. Por que você vai trabalhar por algo que não gera conhecimento, que não abre novos horizontes, enfim, algo que não tem relevância?

No meu trabalho como coach já vi alguns coachees definirem uma meta sem que ela estivesse inserida dentro de um “grande plano”, sem que fosse mais um passo do projeto de vida. 

Esse é um momento muito delicado no processo de coaching porque, por mais que a meta esteja claramente definida, o coachee é confrontado pela pergunta: e depois, faz o quê? E sem um projeto de vida não é possível responder a essa pergunta.

Um projeto de vida requer reflexão, autoconhecimento, ambição e, acima de tudo, mais uma vez, educação.

A palavra educar vem do latim: educare, educere. Composto pela união do prefixo ex, que significa fora, e ducere, que quer dizer conduzir ou levar. Conduzir para fora ou direcionar para fora.

Segundo o dicionário etimológico, o significado do termo direcionar para fora no passado era empregado no sentido de preparar as pessoas para o mundo e viver em sociedade, ou seja, conduzi-las para fora de si mesmas, mostrando as diferenças que existem no mundo.

Quando nos educamos para seja o que for, olhamos o mundo lá fora, descobrimos as opções, quem já fez o que desejamos fazer, as diferenças e também as similaridades.

E é nesse momento que acontece a mágica, quando tomamos posse daquilo que nos cabe e que somos capazes de dizer o que queremos, como, quando, onde, a que custo e por que.

Dentro de uma linha de curto, médio e longo prazo, isso tudo se torna um projeto de vida e é simplesmente fantástico confirmar que ele está evoluindo. 

Você já experimentou essa sensação?



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.