A força do propósito
Quantas vezes você já se questionou o que realmente quer da vida? Ou ainda, por que se sente tão infeliz com o que faz atualmente? Já disse alguma vez que odeia a sua profissão? 

Você é do tipo de profissional que não vê a hora de chegar a sexta-feira para ir embora e se livrar por dois dias da tortura que considera o seu trabalho? Ou que não vê a hora do próximo feriado prolongado para ficar em casa ou sair com os amigos?

Se você se encaixa nesse perfil, lamento te dizer, mas você está gastando sua vida e seu precioso tempo em uma atividade totalmente errada. Esse trabalho definitivamente não é para você. 

“Escolha um trabalho que você ame e não terás que trabalhar um único dia em sua vida.” Confúcio

No que você tem gasto seu tempo e energia quando sabe que não deveria estar fazendo isso, e por que continua a fazê-lo ainda? 

Se eu te perguntasse hoje qual o seu propósito de vida, você saberia de forma clara e definida me dizer qual é? Se ainda não sabe, é melhor começar a pensar nisso ou está fadado a viver uma história medíocre, infeliz, desejando que a semana acabe para, assim, gastar o que ganhou durante um ou dois dias com coisas supérfluas que façam, de alguma forma, sua vida ter um mínimo de sentido.

Quando digo gastar seu dinheiro com coisas que não fazem sentido, que fique bem claro que não estou dizendo que não devemos comemorar ou festejar em nossas vidas. Quero chamar a sua atenção para que não viva apenas por esses momentos, mas que todos os dias seja um dia que valha a pena.

Dias que acorde e se sinta motivado a sair de casa e dar o seu melhor no que irá fazer e ao chegar no fim do dia você possa dizer, com toda certeza, o porque aquele dia valeu muito a pena para você. 

Pergunte a uma criança o que ela quer ser quando crescer. Imediatamente ela dirá, com toda certeza, que quer ser astronauta, jogador de futebol, desenhista, músico, médico, atleta, rico, dentre uma infinidade de coisas, ou dizer que quer ter a profissão dos pais.

Quando somos criança não temos crenças dentro de nós. Nascemos como uma folha em branco e nela vamos escrevendo nossas histórias baseado no nosso meio de vivência e nas experiências adquiridas. Ao passar dos anos vemos que para se ter um sonho realizado exige esforço e muita dedicação. 

Então vamos para a escola e começamos a conviver com pessoas que são criadas com outras mentalidades, com outras visões de mundo e, de repente, tudo que nos foi passado começa a conflitar com o mundo de outras pessoas, com as visões que elas têm da vida. 

Aprendemos que para conseguir o que queremos precisamos de muito, mas muito trabalho, e que tem gente que tem “sorte”, por isso consegue conquistar seus sonhos. Formam-se, então, as famosas crenças limitantes e com isso deixamos de sonhar em ter aquela infinidade de profissões que antes era possível. Tudo passa a ser visto como difícil. 

Temos que estudar cerca doze anos entre ensino fundamental e médio, depois mais quatro ou cinco anos de faculdade, mais dois anos de doutorado e mestrado e mais alguma especialização. Aprendemos também que para conseguir o que queremos precisamos de dinheiro.

Nesse meio tempo de tantos anos e energia você deixa de olhar para o propósito, ou muitas vezes nem começa os estudos porque não sabe se quer passar tanto tempo estudando. E se você mudar de ideia? 

Uma pesquisa do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística mostra que cerca de 37,9% dos alunos brasileiros abandonam os estudos. Esse dado mostra que o objetivo da pessoa não estava alinhado com quem ela realmente é.

Descobrir a vocação é uma tarefa considerada difícil para muitos. O indivíduo muitas vezes se sente incapaz ou considera seu sonho fantasioso. Mas o primeiro erro vem quando essas pessoas dizem que o objetivo delas é ganhar dinheiro. 

Ganhar dinheiro não é errado, aliás, é essencial, mas o dinheiro é o meio e não o fim. Você então aprende crenças limitantes que lhe dizem que só conseguirá ter o que quer, ou viajar para onde quiser, quando tiver condições financeiras.

Nesse momento entra o poder do propósito. Não basta querer ter dinheiro, é necessário saber quanto exatamente você quer ter. Dizer que quer viajar não é válido, pois é preciso ter a clareza o destino que quer ir. Não basta saber para onde viajar ou quanto de dinheiro ter se não souber quando irá ter essas coisas. Nosso cérebro não difere a imaginação do real, e por esse motivo deixamos as coisas abstratas ou subjetivas em nossa mente. 

O poder da clareza em nossa mente nos faz ter para onde ir e, além disso, quando chegaremos lá. Entra então o fator determinante para chegar onde queremos e como chegaremos. 

Com o objetivo traçado, a data definida e a maneira de alcançar alinhada, você tem um propósito de acordar todos os dias e ir para o seu trabalho. Você não acorda para chegar o fim de semana e sair daquela tortura, você desperta para trabalhar e alcançar o seu objetivo, pelo seu propósito. O fim de semana se torna uma rotina, prazerosa, mas não o socorro para sua semana. 

Ter um propósito é o que diferencia as pessoas de sucesso para as medianas, que vivem o hoje para gastar amanhã. Ter um objetivo de vida te faz saber que todo o seu esforço, seus anos estudando ou trabalhando tem uma finalidade, que não é apenas mais um dia de tortura naquela atividade, e sim mais um passo para perto do seu sonho.

Descubra qual é o seu propósito, ou lembre onde e porque perdeu o seu objetivo, quando e o motivo que parou de sonhar. 

Uma vida sem propósito é como um barco sem leme, ele tem energia para atravessar o oceano, mas fica andando em círculos até essa energia acabar e não chega ao destino final.

Como já dizia o sábio gato, do filme “Alice no País das Maravilhas”: “Quem não sabe aonde quer chegar, qualquer caminho serve.”



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.