Embora seja algo óbvio, muita gente se esquece de que o que somos hoje nada mais é do que o resultado das decisões que temos tomado nestes últimos 5, 10 ou 20 anos. E, sendo assim, daqui a 5, 10 ou 20 anos, nós seremos nada mais que a consequência das decisões que estamos tomando HOJE!

Um planejamento estratégico pessoal é justamente o documento em que você descreve qual seria essa visão ideal que você tem de você mesmo no futuro e traça um plano para que você caminhe efetivamente nessa direção, em vez de ficar à deriva ou encalhando no caminho.

E como se isso tudo já não bastasse para lhe sensibilizar a escrever e não desgrudar nunca do seu planejamento estratégico pessoal, há ainda outros 5 ótimos motivos para tal:

Compromisso: No ato de escrever em um papel as suas metas, você está firmando um compromisso consigo de se esforçar ao máximo para alcançar aquilo. Se você não correr atrás, estará quebrando a confiança que você depositou em você mesmo. Óbvio que nem todas as metas serão alcançadas, mas você certamente dará o melhor e chegará bem mais perto daquilo que almejou do que se tivesse se mantido apenas sonhando e pensando como seria bom se conquistasse aquilo.

Visão externa racional: Quando colocamos para fora de nossa cabeça as atividades e metas a serem cumpridas, nós conseguimos lançar sobre elas uma visão mais racional e menos emotiva. Conseguimos criticá-las melhor e perceber se são metas e atividades realmente alcançáveis, relevantes e realistas.

Olhar de topo: Além de criticarmos a qualidade da meta que foi traçada, o cérebro humano precisa ter essa visão de topo para “ligar os pontos” e traçar os melhores caminhos para cumprir cada uma das coisas que foram planejadas. Imagine acordar com 20 coisas para realizar no dia e não ter uma lista escrita. Chegar ao final do dia sem ter conseguido realizar tudo ou esquecendo-se de algo é mais que um risco, é uma realidade inevitável. Mas quando você tem um plano escrito na sua frente, você ajuda seu cérebro a racionalizar os esforços e encontrar o melhor caminho.

Aumento das tomadas conscientes de decisão. Estudos mostram que podemos passar cerca de 90% do nosso dia em piloto automático, sem tomarmos efetivas decisões conscientes. Quando você usa os seus 10% conscientes para escrever seus objetivos e metas em um papel, você cria um ponto de ancoragem para lhe trazer de volta ao estado consciente quando começar a cair em um piloto automático que seja destrutivo dos seus sonhos. O papel fica ali lhe incomodando. Sim, o papel incomoda, incomoda muito… Se você não correr atrás da sua meta, o papel estará ali, “gritando” que você está em débito consigo.

Fogo sempre aceso: Quando ouvimos ou lemos algo que faz sentido para nós, costumamos a ficar extremamente empolgados e colocar em prática aquilo que foi passado. Porém, com o passar do tempo essa empolgação vai diminuindo gradativamente até cair no esquecimento. Metas escritas em um papel, e constantemente observadas, servem como um lembrete e constante fonte de motivação, lhe lembrando seguidamente da importância daquele discurso que lhe sensibilizou, o verdadeiro “porquê” que lhe levou a escrever tal plano. E a cada meta cumprida, você sabe que mais um passo na direção correta do seu real objetivo foi dado. E, assim, você está mais próximo de realizar o que antes foi só um sonho…
Não perca tempo, decida agora mesmo para onde você quer navegar a sua vida!

Um abraço, sucesso e muitas felicidades.



Informamos que esse texto é de inteira responsabilidade do autor identificado abaixo.

  0   0

Vítor Cruz Galvão

Life Coach

Estrategista de Carreira. Especialista em ajudar pessoas a terem mais satisfação e resultados profissionais, cumprindo a missão por meio de palestras, treinamentos, coaching e mentoring. Ex-Oficial da Marinha do Brasil, Empresário da ramo educacional, autor de 7 livros.