PROGRAMA ACERTAR É HUMANO

#060

Neste Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori abordou a questão do "Tempo" – Você conhece alguém que diga que tem muito tempo e que o tempo tem demorado a passar, que o dia a dia tem sido muito longo? Dificilmente. O tempo é a grande preocupação de todos. Todos temos a sensação de que o tempo tem passado cada vez mais rápido. Qual a justificativa da ciência sobre essa percepção?

060 - Programa Acertar é Humano: de 18/06/2015

Sulivan França é comentarista no programa Feiras & Negócios

Programa Acertar é Humano (18/06/2015)

Nélson Sartori

Tempo de áudio
25 minutos e 36 segundos
Legenda
... ➔ pausa ou interrupção do discurso
[...] ➔ palavra/trecho incompreensível
[comentário] ➔ comentários do transcritor

♪ [tema acertar é humano] ♪

Começa agora na Mundial Acertar é Humano, um programa que apresenta crônicas com humor e foco na solução, sempre falando de temas diversos como empreendedorismo, liderança, esporte, atualidades, comunicação entre outros. Tudo isso seguindo a filosofia do coaching.

Programa Acertar é Humano, uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori.

[NÉLSON] Bom dia, ouvinte Mundial. Aqui quem fala é o professor Nélson Sartori em mais um programa Acertar é Humano aqui com vocês na Rádio Mundial, na quinta-feira pela manhã, às sete horas. Toda quinta-feira nós estamos aqui. Às vezes este "nós" se resume a um, às vezes eu tenho aqui meu companheiro Sulivan França, que ultimamente não está aqui presente porque realmente o projeto dele de trabalho, um projeto fantástico na SLAC Coaching, está tomando muito tempo dele. Então estamos dividindo. Eu venho para cá e ele fica para lá.

Justamente inspirado sobre relação de tempo que falei agora que hoje vamos comentar um pouquinho no nosso programa.

O tempo é uma grande preocupação de todos no trabalho, nos estudos, na vida. Todo mundo, não interessa em qual área do conhecimento, tem comentado que cada vez mais o tempo anda mais rápido, que não conseguimos acompanhar o tempo.

Percepção do tempo:

ele está passando mais rápido?

Fazendo pesquisas, alguns teóricos e cientistas levantam a sua posição a respeito do tema. A que a ciência melhor lida é a com relação à tecnologia: qual é a justificativa da ciência sobre a nossa percepção? Eles lidam com a nossa percepção. Eles dizem que sentimos que o tempo passa mais rápido em função aos vários acessórios e equipamentos que hoje fazem parte da nossa vida e que aceleram todo o processo.

Hoje tudo que fazemos tem a interferência de um meio acelerador. Pense bem. Há séculos as pessoas atravessavam o nosso país da mesma forma como atravessam hoje, só que iam a pé ou a cavalo. Vamos pegar como exemplo os Estados Unidos, quando eles atravessavam o país a cavalo, isso há três ou quatro séculos isso acontecia. A forma como as coisas aconteciam perdurou muito. Se você for ver na Europa do período da dominação do Império Romano, os trajetos eram feitos cavalo, levavam dias ou meses. O processo era natural e foi assim durante muito tempo.

Hoje em dia não. Hoje todo esse trajeto é feito com automóvel em algumas horas ou então menos ainda se você pegar um avião. O sistema ou mundo em que vivemos se tornou mais rápido. Então acabamos tendo a percepção com maior rapidez. Hoje em dia não precisamos esperar nada, todas as informações estão ao nosso alcance.

Já falamos várias vezes aqui no programa sobre quanto a vida do homem moderno mudou com alguns acessórios que hoje levamos no bolso: aparelhos celulares que nos colocam em contato com todo o universo praticamente, toda a forma de pesquisa, conversamos com qualquer pessoa em qualquer lugar, pegamos qualquer informação, deixamos de realizar uma série de atividades físicas que antes éramos obrigados a realizar e agora as fazemos sentadinhos.

O que está acontecendo de fato?

A tecnologia e a passagem do tempo

A tecnologia acelera o processo, torna tudo muito mais rápido. Aí acabamos tendo essa percepção de que tudo acontece com a mesma dinâmica, com a mesma rapidez. Essa é a postura dos cientistas.

Os metafísicos já têm uma sensibilidade diferente. Os espiritualistas, a espiritualidade já estabelece um valor novo. Ela determina que é o momento de depuração no universo. Estamos passando por um momento de transformação, em que serão separados alguns elementos dentro do nosso plano, do nosso universo e as coisas serão ajustadas.

Parece muito metafórico isso que estou falando, mas, como é uma concepção mais espiritualista, os conceitos de baseiam principalmente em relação a questões reencarnatórias, sobre relações ligadas à evolução da própria espiritualidade, que são fatores que devem ser considerados porque as coisas andam juntas.

É muito difícil para um homem que pensa admitir apenas o conceito da ciência, sendo que a ciência tem limites ao atingir a um determinado conhecimento. Se ela não consegue ir além, o homem tem de conceber o que vai além. O espírito do homem não tem as barreiras que a ciência tem, por isso ele ultrapassa esses limites e vai adiante.

Um exemplo disso. No passado, o tempo parecia passar mais lentamente. Os homens viviam menos. Por que viviam menos? Porque o tempo passava mais lentamente. Como o tempo passava mais lentamente, a sensação de presença à sensação de realização era muito maior porque ele tinha esse sentimento do tempo passando. Ele percebia, ele tinha a percepção da passagem do tempo.

Com esta percepção, ele participava mais ativamente da construção desse mundo em que vivia do que hoje. Hoje não temos mais tempo para participar da construção, somos atropelados pelo tempo. Já falamos muito sobre como a tecnologia se autossupera, em um ritmo até promovido pela especulação financeira, em outro momento pela necessidade realmente de criar do homem, dinamizar sua inteligência e produzir coisas que potencializem cada vez mais o papel dele nesta vida.

O resultado é qual? Nós vivemos mais hoje em dia? Vivemos mais. Temos maior longevidade. Porém, como nossas realizações pessoais acabaram sendo reduzidas, é como se houvesse a compensação: vivemos mais e realizamos menos; o homem do passado vivia menos e realizava, em tese, a mesma quantidade de coisas que realizamos individualmente – porque nós precisamos de acessórios para as coisas; eles não tinham isso.

Nessa nossa gana de atropelar o tempo, começamos a nos esquecer daquilo que existe à nossa volta, começamos a afetar o mundo e o planeta. O planeta é importante ser visto como um organismo vivo. O que é um organismo vivo? Ele tem a sua estrutura viva biológica e tem no seu interior uma energia pulsante latente como todo ser vivo tem. Eu não digo metaforicamente quando falo que o planeta é uma estrutura viva, ele é realmente um organismo, ele tem tudo aquilo que o organismo tem.

O impacto do homem na natureza

O que aconteceu quando o homem começou a interferir definitivamente com a ciência? Ele começou a afetar esse planeta. Como ele começou a afetar o planeta, o planeta não necessariamente estava predisposto a aceitar aquilo que o homem estava fazendo. Então o homem começou a se mostrar como um vírus. Assim como o planeta é uma instituição viva, uma estrutura, um organismo vivo, nós também somos. Só que, veja, cada um ocupa um papel dentro do universo. Assim como o planeta ocupa um papel dentro de uma estrutura planetária dentro do universo, nós ocupamos um papel dentro do planeta. Dentro dessa escala em que nós tiramos a nossa sobrevivência do planeta, funcionamos como se fôssemos parasitas.

Não necessariamente é algo ruim porque havia a simbiose, a coexistência de organismos. Organismos coexistem: ao mesmo tempo em que tiram vantagem, fornecem valores. O problema é que o homem, em dado momento, começou a oferecer muito menos ao planeta e a retirar muito mais. Isso vemos todos os dias. A questão da água, da poluição, desmatamento, qualidade de vida.

O resultado disso tudo é que o planeta adoeceu. Ele nos vê de duas maneiras. Na verdade, somos um vírus, que tanto pode ser positivo, como se fosse não um vírus, mas um organismo que pode funcionar como anticorpo, ou seja, combatendo aquilo que é nocivo, mas também pode nos ver como esse mal que o afeta.

Qual foi a alternativa do planeta?

Muito mal foi causado ao planeta, então ele precisa se curar. Outra teoria diz justamente que ao invés de tempo estar passando mais rápido, somos nós que estamos sendo congelados nesse tempo, estamos paralisados justamente para que a nossa ação não seja tão intensa quanto foi nos últimos anos e automaticamente em uma intensidade negativa. Foi positivo em algumas coisas e negativo em outras.

Vamos simplificar isso. O homem hoje em dia vive mais porque a ciência e a tecnologia deram a ele condições de cura, medicamentos que podem tratar doenças que antes não eram tratadas. Isso é um mérito da humanidade. Por sua vez, o mesmo progresso que traz a cura para algumas doenças traz e desenterra doenças que nunca foram vistas antes. O próprio progresso traz a cura e a doença. Então temos esses dois papeis dentro do universo em que vivemos.

Justamente agora é a escolha que temos de fazer: se somos parte da cura ou da doença. Como o planeta não pode se dar ao direito de ficar esperando que escolhamos o que é melhor para ele, o que ele faz? Ele nos congela. Você já viu que quando existe algum mal, muitas vezes ele precisa ser cauterizado? Essa cauterização vem através desse congelamento porque o processo é parado. Se eu não consegui ainda a cura, eu paraliso, congelo para que as coisas possam acontecer independentemente da ação negativa. A outra versão importante para trabalhar não é que o tempo esteja passando mais rápido para nós, porque estamos congelados no tempo porque o planeta precisa de recuperar, é a questão de fazermos nossa escolha, uma escolha de todos os dias.

Eu falo dessas escolhas porque, dentro do nosso programa, costumamos trabalhar muito essa questão objetiva, a questão do trabalho, da profissão, do posicionamento do homem no mundo, da sua transformação da sociedade e da existência do homem.

As coisas vão ultrapassando os limites. Afinal de contas, o próprio universo do coaching está ligado à vida, à potencialização, ao desenvolvimento e à melhora da qualidade da vida de todos, tanto profissionalmente quanto pessoalmente. Fica impossível abrirmos mão de reconhecer que o homem não tem só o papel material no mundo. Se ele abandonar os conceitos da sua própria essência e própria espiritualidade, ele vai acabar definhando e vai se tornar realmente uma energia nociva, algo que uma natureza negativa.

O planeta está reagindo a nós e esta reação vem com um pode muito grande. Afinal de contas, se você for comparar dois organismos vivos, que é o homem e o planeta, pelas próprias proporções, pelo poder energético do planeta, ele é muito mais poderoso do que nós. A nossa ação leva muito tempo para causa o mal. A partir do momento em que o planeta decide se recuperar, ele tende a agir de maneira rápida e dinâmica dentro da sua própria lei, dentro do seu próprio tempo. Aí que somos colocados em segundo plano – mas fomos nós que construímos isso.

O tempo passa mais rápido para nós porque na verdade nós andamos mais lentamente, as coisas acontecem com maior lentidão para nós. Somos organismos velhos e desgastados dentro desse mundo que precisa se recuperar. Como todo organismo tem um ciclo de vida, o nosso ciclo de vida está precisando ser resetado, reinicializado porque acabamos nos deteriorando. Essa deterioração precisa ser dissolvida e precisamos voltar a um aspecto da nossa natureza, um maior contato com essa natureza para podermos caminhar.

E o planeta age. Ele não pensa, ele age. Ele simplesmente passou para um processo de autocura. Como é a autocura? Ele criando e desenvolvendo mecanismos para combater o que é mal.

Volto a falar, não somos nós que somos maus, na verdade é a nossa ação, a nossa essência. Aí podemos escolher. Não esqueça de que você tem a opção de ser um bom ou mau vírus, ou seja, você pode trabalhar em prol da bondade ou não. Quem escolha é você.

O que você quer ser: parte dos anticorpos positivos ou dos vírus negativos?

Essa ação é uma ação seletiva, em que você vai trabalhar a favor ou contra. Existe hoje essa preocupação. Precisamos tomar consciência disso tudo.

O que acontece quando um organismo vivo não consegue se curar?

Veja por você. Você faz um ferimento, está brincando com seu gatinho, ele vai lá e unha a sua pele, faz aquele risco, aquele vergão. Você pode até passar alguma coisa para esterilizar, mas geralmente o organismo vai tratar você sozinho, desde que aquele ferimento não seja um ferimento muito grave. Se for muito grave, o tempo de cura é maior, então a interferência do seu corpo, do seu organismo no tratamento daquela ferida tem de ser maior, a ação tem de ser mais prolongada. Um tempo maior será utilizado para sanar aquela doença.

Se o tempo não estiver a favor? Se você precisa se curar com maior rapidez, você vai precisar da intervenção de alguém. Vamos até ao médico e o médico, através da ciência, da tecnologia e dos seus medicamentos, interfere e acelera o processo. O nosso organismo tem o seu próprio ritmo, a interferência do médico vem para acelerar o processo de cura, que significa potencializar o que é bom e eliminar o que é ruim.

O planeta pode precisar da mesma interferência. Quem disse que somos nós que temos esse poder imediato de solucionar o mal do mundo? Nós o causamos e levamos muito tempo fazendo isso. Pode ser que nesse momento o planeta conte com uma interferência mu superior a nós nesse momento é esse médico maior quem vai tratar o mundo. Aí temos de escolher de que lado vamos ficar: se estamos do lado que vai ser extirpado ou do lado que vai trabalhar em prol de ajudar esse organismo a sobreviver.

Qual é a receita para isso?

Bondade

A receita para isso é a bondade, bondade generalizada, com todos. A bondade é o único investimento que sempre compensa. Pensa bem. A bondade é uma ação sempre positiva porque, mesmo que ela não seja retribuída, ela já foi boa por si só, ela causou o bem. Quem faz o bem se sente bem.

Muitas vezes aquele a quem você oferece o bem não está preparado para compreender aquilo, se assusta porque não está acostumado com esse tipo de atitude. Como hoje em dia a atitude das pessoas é mais autoprotetora, nos tornamos egoístas. Nós somos pequenos organismos. Podemos escolher se somos bons ou maus. Toda a nossa ação foi uma ação coletiva e agora nos sentimentos isolados. Esse isolamento nos torna obviamente muito frágeis. Nós não podemos ficar isolamos, temos de nos unir.

Essa união vai acontecer como? A partir do momento em que você escolhe qual ambiente ou qual campo você pretende trabalhar, se é o campo da bondade e da positividade ou se é continuando a tirar proveito do mundo, como todos os homens sempre tiraram, sem a preocupação com o que vai acontecer com o futuro do planeta.

Pessoal, o planeta sabe o que vai acontecer com o futuro dele. Ele não vai permitir que a própria estrutura, que sua própria vida desapareça. É a autorpreservação. Assim como nós buscamos a nossa autocura, o planeta também está procurando a dele. Se ele entender que nós somos o mal, ele vai eliminar esse mal.

Volto a dizer, a atitude coletiva é o que fez tudo que existe hoje no mundo, só que vai ser agora a atitude individual que vai mudar porque você vai ter de escolher qual o papel você vai ter dentro desse organismo vivo daqui para a frente. Se você for negligente e continuar pensando apenas nesse indivíduo que você é sem responsabilidade com o meio ambiente, sem responsabilidade com o mundo e sem perspectiva do futuro, você vai viver só o presente, vai chegar o momento em que esse seu presente vai desaparecer e você junto dele vai ser eliminado. Agora, aquele que se dispõe a oferecer para esse mundo tão maltratado um pouco da bondade (que é o grande remédio para esse mundo; a bondade é a solução para todos os males), oferecer esse medicamento e fizer parte desse conjunto, e em todos os sentidos, não falo só metafisicamente, é atitude diária, com certeza o mundo vai se tornar melhor à sua volta e aí você volta a ter uma ação viral, só que um vírus bom.

Temos de ser o vírus do bem, começar a agir de maneira positiva. Lembre-se que um vírus se multiplica e se transforma em uma grande doença ou então se transforma em uma cura.

"Mas o vírus geralmente é só doença, não é cura". Mas está nas nossas mãos transformar isso aí, mudar e fazer com que as coisas melhorem.

"O tempo não está nas nossas mãos", quem dizia esta frase estava mentindo, ele não está. Então nós temos de correr para alcançar isso tudo e fazer aquilo que não estamos conseguindo fazer. O tempo vai contra nós e temos de criar recursos para melhorar o mundo em que vivemos e a solução é a bondade.

Grande abraço a todos vocês. Fiquem com essa reflexão, pensem um pouquinho sobre isso durante a semana. Até o nosso próximo programa, minha gente.

♪ [tema acertar é humano] ♪

Você ouviu pela Mundial o Programa Acertar é Humano. Apresentação Sulivan França e Nélson Sartori. Uma produção da Sociedade Latino-Americana de Coaching, a elite do coaching no Brasil.

Outros Podcasts

056 - Programa Acertar é Humano: de 14/05/2015

#056

Em mais um Programa Acertar é Humano o Professor Nélson Sartori explorou “O que pensa um homem de sucesso?” O que grandes empreendedores pensam sobre a forma de agir e se posicionar para uma pessoa ser bem-sucedida?

055 - Programa Acertar é Humano: de 07/05/2015

#055

Neste Programa o professor Nélson Sartori falou sobre “Grandes empreendedores e como veem o mundo”. Que dicas esses bem-sucedidos dão para inspirar novas visões de mundo em busca do sucesso?

054 - Programa Acertar é Humano: de 30/04/2015

#054

“Dicas para o sucesso de um homem, segundo Bill Gates.” Esse foi o tema discutido no Programa Acertar é Humano de 30/04. Nélson Sartori comentou um reportagem em que Bill Gates fala sobre algumas regras para alcançar o sucesso.

053 - Programa Acertar é Humano: de 23/04/2015

#053

Em mais um Programa Acertar é Humano o professor Nélson Sartori falou sobre Carreira. Como você pode alavancar sua carreira? Você faz o que você gosta? Como anda sua confiança profissional? Este Programa é um convite para você refletir sobre este assunto. Clique e ouça!

052 - Programa Acertar é Humano: de 16/04/2015

#052

Os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori falaram sobre “O que fazer antes de tomar uma decisão?” Conheça nove maneiras de tomar boas decisões na sua vida. Ouça as dicas, coloque-as em prática e compartilhe o resultado conosco!

051 - Programa Acertar é Humano: de 09/04/2015

#051

No Programa Acertar é Humano do dia 09/04 o professor Nélson Sartori abordou o tema: “O que as pessoas de sucesso fazem quando acordam?” Praticam exercício? Ouvem música? Agradecem? Clique e ouça novamente como pessoas bem-sucedidas começam o seu dia.

050 - Programa Acertar é Humano: de 02/04/2015

#050

No primeiro Programa do mês de abril o apresentador e professor Nélson Sartori deu continuidade ao Programa anterior falando sobre o tema “Vulnerabilidade”. O que te desequilibra? Como fazer para se livrar de certos bloqueios que te torna vulnerável perante as situações?

049 - Programa Acertar é Humano: de 26/03/2015

#049

Vulnerabilidade foi o tema do Programa do dia 26/03 com os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori.

048 - Programa Acertar é Humano: de 19/03/2015

#048

Neste Programa Acertar é Humano foi discutido sobre “O que difere os pensamentos e atitudes de um colaborador e de um empreendedor?”.

047 - Programa Acertar é Humano: de 12/03/2015

#047

No Programa Acertar é Humano do dia 12/03 os apresentadores Sulivan França e Nélson Sartori abordaram o tema “Resiliência”.

046 - Programa Acertar é Humano: de 05/03/2015

#046

Em 05/03 o professor Nélson Sartori abordou o tema “Meia Idade”. Chegar aos 40 anos pode trazer uma série de fatores de mudanças.

045 - Programa Acertar é Humano: de 26/02/2015

#045

No Programa Acertar é Humano do dia 26/02 o professor e apresentador Nélson Sartori respondeu a pergunta de um ouvinte “O que fazer quando o dinheiro acaba?” Quais são as opções que você tem para sair de um momento financeiro mais difícil?

044 - Programa Acertar é Humano: de 19/02/2015

#044

Em mais um Programa Acertar é Humano o apresentador Nélson Sartori recebeu, no dia 19/02, a professora Luciane Sartori, abordando o tema “Intolerância Religiosa”.

043 - Programa Acertar é Humano: de 12/02/2015

#043

O professor e apresentador Nélson Sartori abordou no Programa Acertar é Humano do dia 12/02 uma síndrome existente no dia a dia de muitas pessoas, a síndrome do pessimismo e negativismo, do caos.

042 - Programa Acertar é Humano: de 05/02/2015

#042

No Programa do dia 05/02 o professor Nélson Sartori abordou o tema “A existência”.

041 - Programa Acertar é Humano: de 01/01/2015

#041

No primeiro Programa Acertar é Humano de 2015 o apresentador e Master Coach Sulivan França abordou o tema "Qual sua ambição para 2015?". Qual o papel que você deve desempenhar para alcançar seu objetivo? Que tipo de pessoa você precisa ser para chegar até essa meta? E no final do programa, Sulivan deixou algumas perguntas para os ouvintes pensarem para o início de 2015.

040 - Programa Acertar é Humano: de 25/12/2014

#040

No Programa do dia 25/12, Nélson Sartori abordou o tema “Coaching para concursos públicos”. E para discutir esse assunto específico o apresentador recebeu nos estúdios do programa a professora Luciane Sartori. E, para finalizar, na “Dica do Professor” Luciane Sartori explicou algumas palavras e expressões que devem ser escritas separadamente.

039 - Programa Acertar é Humano: de 18/12/2014

#039

No Programa do dia 18/12, o apresentador Sulivan França falou sobre “Como traçar metas para 2015”.

038 - Programa Acertar é Humano: de 11/12/2014

#038

O apresentador Nélson Sartori recebeu, no Programa do dia 11/12, a coach educacional e professora Luciane Sartori que deu dicas para quem começa a se preparar para investir na carreira em 2015. Na “Dica do Professor”, foi a convidada Luciana Sartori que explicou os significados das palavras “infringir e infligir”.

037 - Programa Acertar é Humano: de 04/12/2014

#037

No Programa do dia 04/12 o professor Nélson Sartori abordou o tema “Qual o segredo das pessoas ricas e bem-sucedidas?” Durante o Programa o professor falou sobre o resultado de uma pesquisa realizada com pessoas que alcançaram esse estatus. O que eles fizeram para chegar lá? Para finalizar o professor Nélson deixou uma pergunta para reflexão do ouvinte e na “Dica do Professor” ele falou sobre o uso do S e do Z.

Programa Foco e Gestão com Sulivan França

De segunda a sexta
9:00 - 18:00

+55 (11) 3670-1770

info@slacoaching.org

Av. Francisco Matarazzo
1400 - SP

Sociedade Latino Americana de Coaching

+55 (11) 3670-1770
info@slacoaching.org

São Paulo - Brasil
Centro de Treinamento
Av. Francisco Matarazzo, 1.350
Água Branca - Cep: 05001-100
São Paulo - Brasil
Sede Administrativa
Av. Francisco Matarazzo, 1.400
Água Branca - Cep: 05001-100
CNPJ: 15.229.739/0001-47
Santiago - Chile
Oficina
Suecia 42, Oficina 02
Teléfono: +56 2 2632 5042
Lima - Peru
Oficina
Plaza Ricardo Palma 107 - San Borja
Teléfono: +51 980 037 494
Cartagena - Colômbia
Oficina
Cr 3 6A Esq. Ed. Jasban 407 - B/Grande
Teléfono: +57 5 655 03 01

Conteúdo Registrado ®
Todos os Direitos Reservados
Cópia Proibida.